Morada de 190 m² já foi mina de ouro e serraria

Casa australiana absorveu detalhes da história de seu terreno

Por Amanda Sequin

Feita a partir de uma árvore que estava caída na creche do filho, a porta de 9 m de comprimento desliza completamente no deck, voltado para a antiga pedreira | <i>Crédito: Foto: Ben Hosking
Feita a partir de uma árvore que estava caída na creche do filho, a porta de 9 m de comprimento desliza completamente no deck, voltado para a antiga pedreira | Crédito: Foto: Ben Hosking
A nordeste de Victoria, na Austrália, a cidadela de Yackandandah situa-se numa região historicamente rica em recursos naturais – motivo pelo qual abriga, ainda hoje, muitas famílias de mineiros entre seus menos de 700 habitantes. Um deles, o escultor Benjamin Gilbert, fez do topo de uma mina desativada seu estúdio durante sete anos. Em 2013, orientado pelo irmão, arquiteto do escritório Archier, decidiu transformá-lo numa casa.


A estrutura de aço permitiu uma obra racional, o que contribuiu para reduzir gastos. Os móveis da sala de estar, integrada ao deck, levam, na base, sobras de madeiras da região. (Crédito: Ben Hosking)


Simples, a obra pensada inicialmente para um solteiro ganhou a companhia de sua mulher e do primeiro bebê ao longo do processo. “Reutilizamos e deixamos expostos 270 blocos de concreto. Cada um deles teve uma função antes de chegar até aqui: compôs uma ponte, um passeio, uma casa... Juntos, criam retalhos de cor e textura nas paredes”, conta o arquiteto-irmão, Chris Gilbert. Madeira local e folhas de metal patinadas revestem outras partes, finalizando o enredo de memórias preciosas.


Fluido, o projeto se vale de portas de correr e pivotantes de vidro para abrir e separar os cômodos. Aqui se vê a cozinha e, ao fundo, um quarto (Crédito: Ben Hosking)

01/01/2017 - 17:00

Conecte-se

Revista Arquitetura e Construção
  • Revista A&C
Coleção CARAS