Busca por luz natural move projeto de renovação do lar

Neste refúgio, dupla de arquitetos foi desafiada a harmonizar espaços novos com partes anteriormente construídas

Por Amanda Sequin | Projeto Way Architecture Yell

Na nova proposta, fez-se um anexo destinado à área íntima. o volume de laje plana, alinhado à antiga cons trução coberta por telhas, tem os quartos das crianças voltados para a piscina de borda infinita, calculada para ficar na mesma altura do deck. | <i>Crédito: Foto: Leonardo Finotti
Na nova proposta, fez-se um anexo destinado à área íntima. o volume de laje plana, alinhado à antiga cons trução coberta por telhas, tem os quartos das crianças voltados para a piscina de borda infinita, calculada para ficar na mesma altura do deck. | Crédito: Foto: Leonardo Finotti
Em Campinas, SP, Gisela e Gustavo Assis adquiriram um lote de 1 374 m² com uma construção de 481 m² típica dos anos 80, cheia de telhados em águas e muito diferente do estilo clean e atual que o casal desejava. Após conhecerem Priscilla Pinotti e Carlo Costa, arquitetos do escritório Way Architecture Yell, identificaram-se de cara e estavam trabalhando juntos na renovação da residência.

Apesar das boas condições do imóvel, ele requeria uma mudança radical, diferente do que imaginavam os moradores – de início, o casal pediu alterações bem simples.
Por estar num condomínio, a casa não foi feita sob medida para o terreno, e sim seguia a tipologia das outras. Os quartos, por exemplo, estavam corretamente orientados para o norte, porém, devido à divisão longitudinal, a área social ficava escura ao sul. “Fora tudo isso, as regras nos obrigavam a preservar a fachada. Quebrar algumas paredes numa reforma light não resolveria tais limitações”, reforça o arquiteto


Aumentar a inclinação do telhado permitiu retirar os beirais e embutir as calhas, conferindo à fachada um aspecto visualmente mais limpo sem descaracterizá-la (F
oto: Leonardo Finotti)

A solução consistiu em dividir o layout transversalmente em três partes: uma reaproveitando boa parte da área de serviços; outra, central, destinada à área social; e, por último, um volume novo de 262 exclusivo para os quartos. Entre eles, dois corredores fazem a conexão interna. “Abrimos a sala completamente, de forma que a luz do Sol entre de uma ponta a outra”, explica a arquiteta.


Longilíneas, as ripas de cumaru rodeiam o volume da área íntima, convidando à circulação externa. A construção se eleva 50 cm do solo (Foto: Leonardo Finotti)

Quem observa da rua não percebe tantas mudanças, já que o telhado de duas águas se manteve e o novo volume, de cobertura plana, posiciona-se na mesma linha.“Tudo é conectado, puro e discreto. Nem parece que há um monte de armários no corredor. A piscina está milimetricamente no mesmo nível do deck, posso avistar as crianças brincando lá fora mesmo do outro lado do estar. O conforto é tanto que não dá nem vontade de sair”, arremata a proprietária.

 

28/12/2016 - 13:00

Conecte-se

Revista Arquitetura e Construção
  • Revista A&C
Coleção CARAS