Tira-dúvidas da obra: azulejo ou pintura acrílica na cozinha?

Analisamos as variáveis que envolvem os dois métodos comuns de revestir esse ambiente. Avalie o melhor para seu caso

As paredes brancas iluminam o ambiente e dão unidade à cozinha integrada com a sala de jantar. O projeto é do escritório Díptico Design de Interiores. | <i>Crédito: Foto: Luis Gomes
As paredes brancas iluminam o ambiente e dão unidade à cozinha integrada com a sala de jantar. O projeto é do escritório Díptico Design de Interiores. | Crédito: Foto: Luis Gomes
As alternativas mais usadas para proteger e finalizar as paredes da cozinha continuam sendo o azulejo (ou porcelanato) e a tinta acrílica, que podem ser aplicados numa base de massa feita de cimento e areia (emboço) ou, no caso de reforma, na cerâmica existente. Afora os fatores estéticos, a decisão sobre qual caminho seguir depende do orçamento e do tempo disponível para a obra.

Se você optar por não remover o revestimento antigo, economizará a mão de obra de demolição e a retirada de entulho. O serviço será mais rápido, e a quantidade de materiais descartados reduzirá (nossos abarrotados aterros agradecem).

 A fim de evitar surpresas durante e após a reformulação, observe alguns cuidados. Ao trocar os azulejos, verifique se a espessura do novo modelo é parecida com a do anterior para não haver necessidade de adaptar a guarnição das portas e janelas ou de substituir o acabamento dos registros hidráulicos.

Já no caso de pintura ou sobreposição das peças cerâmicas, confira se a base está totalmente limpa e desengordurada. Atenção: não pode existir infiltração ou vazamento de água, e convém retirar as unidades soltas e sem resistência mecânica (quebradiças ou com a superfície fraca). Tais problemas devem ser solucionados antes de qualquer outra medida.

Por Marcio Moraes, arquiteto

09/01/2017 - 16:22

Conecte-se

Revista Arquitetura e Construção
  • Revista A&C
Coleção CARAS