Com estética industrial, loja de discos abusa do aço e do concreto

Projeto foi comandado por dupla de jovens arquitetas que mesclam sutileza a vigor nos projetos que elaboram

Por Carolina Diniz (reportagem visual)

No bar acima, que também é loja de discos, imperam as referências brutalistas e industriais | <i>Crédito: Foto: Zé Gabriel
No bar acima, que também é loja de discos, imperam as referências brutalistas e industriais | Crédito: Foto: Zé Gabriel
Típicas representantes de sua geração, Renata Pedrosa e Isabel Nassif, do Sub Estúdio, têm a cabeça aberta e interesses diversos, além de muito foco. Por isso, o escritório de arquitetura no qual são sócias, o Sub Estúdio, destaca-se por trabalhos contemporâneos e cheios de personalidade. Criado em 2009 pelas jovens – então recém-saídas da irreverente Escola da Cidade, em São Paulo –, já acumula bom número de reformas e construções residenciais e comerciais, pautadas num tipo muito peculiar de arqueologia.

É aí que o talento das moças ganha expressão: elas gostam  de evidenciar o que de melhor existe no lugar e, assim, realçam estruturas, elementos e materiais antigos. para arrematar, costumam lançar mão de cobogós e ladrilhos hidráulicos, que estão entre os itens favoritos. Um pouco disso você percebe no bar, restaurante e loja de discos ao lado, repleto de referências brutalistas e industriais.


 

1. Todo o metal utilizado é um só: aço. No caso da porta de correr, a chapa bruta conservou o aspecto original, ou seja, nada de pintura.

2.
Por fora das paredes passa a rede elétrica, inserida nos eletrodutos e nas caixas de luz. O recurso simplifica bastante a manutenção.

3.
O local já tinha o piso de cimento queimado, que foi preservado. O revestimento apenas ganhou remendos nos pontos em que a reforma derrubou paredes.

4. Descascar as paredes revelou a estrutura de concreto que demarca a caixa da escada do prédio. Como no restante do projeto, foi mantida aparente.
 
5. Com tijolos de diferentes tipos e modelos, a divisória não aguentaria peso. Assim, a fixação da tela metálica resolveu o problema – é ela que agora sustenta quadros e enfeites.

6.
A alvenaria de tijolos não recebeu acréscimos. As inserções encontradas datam de obras anteriores.

06/01/2017 - 11:26

Conecte-se

Revista Arquitetura e Construção
  • Revista A&C
Coleção CARAS